O que existia antes da existência?

Os cientistas não gostam de falar do que não sabem. Menos ainda revelar a própria ignorância. É por isso que nenhum cosmologista envolvido na produção do mapa mais nítido da origem do Universo [imagem abaixo], divulgado no dia 21 de março, tentou explicar as anomalias surpreendentes da imagem. Ninguém as explicou porque não têm explicação. Como explicar o inexplicável é o ofício da ciência, os cosmologistas estão intrigados.

O Universo é bem velho. Surgiu [sic] há 13,8 bilhões de anos numa explosão conhecida como Big Bang, que lançou matéria e energia em todas as direções. Quando os astrônomos usam telescópios para perscrutar os céus, observam galáxias que estão a milhões de anos-luz da Terra. Um ano-luz é a distância que a luz percorre em 365 dias, à velocidade de 300.000 quilômetros por segundo. Por isso, telescópios também são máquinas do tempo. Olhar estrelas e galáxias é ver como elas eram quando a luz que enxergamos foi emitida. Quanto mais potente o telescópio, mais longe no passado enxerga.

Observatórios poderosos fotografam galáxias a bilhões de anos-luz. Em dezembro, o telescópio espacial Hubble revelou o objeto mais distante já visto, uma galáxia a 13,4 bilhões de anos-luz. Sua luz começou a viajar em nossa direção quando o Universo tinha 400 milhões de anos. É improvável que se veja mais longe. Aquela galáxia é das mais antigas [e, curiosamente, num Universo tão “jovem”, a galáxia já estava formada]. Antes dela, não havia estrelas. O que existia era a energia emitida 380 mil anos após o Big Bang. O tênue eco daquela energia ainda reverbera nos céus. É conhecido como Radiação Cósmica de Fundo (CBR, de cosmic background radiation).

O satélite Explorador do Fundo Cósmico (Cobe), da Nasa, revelou uma distribuição homogênea de radiação no cosmo, um fato de acordo com a teoria do Big Bang. Em 2003, a Sonda Anisotrópica de Micro-ondas Wilkinson (WMAP), também da Nasa, fez um mapa mais preciso. A trama se mostrou mais intrincada, porém ainda homogênea.

Agora, tudo mudou. O novo mapa, produzido pelo telescópio espacial Planck, da Agência Espacial Europeia (ESA), é o mais nítido. Revela a fina renda de um Universo nada homogêneo, em desacordo com as teorias. O granulado na imagem revela variações ínfimas na temperatura do espaço que nos cerca (o mapa é uma imagem em 360 graus do céu noturno, a partir do ponto de vista aqui da Terra). Os pontos amarelos e laranja indicam as regiões mais densas e quentes. Nelas se formariam as galáxias. Os pontos verdes e azuis indicam as regiões mais frias e vazias, que hoje representam vácuos intergaláticos. Isso era o esperado. O que não se explica é a enorme faixa alaranjada, mais quente, que divide o céu de ponta a ponta. Sem falar no misterioso círculo vazio e gelado no canto inferior direito. Tais anomalias simplesmente não deveriam existir. “A qualidade do retrato do Universo criança feito pelo Planck revela que nossa visão do cosmo está longe de ser completa”, diz Jean-Jacques Dordain, diretor-geral da ESA.

A possibilidade da existência das anomalias fora levantada no mapa de 2003, mas prontamente descartada como uma imprecisão. “O fato de o Planck ter detectado as anomalias elimina qualquer dúvida sobre sua existência. Elas são reais. Temos de buscar explicações plausíveis”, afirma o físico italiano Paolo Natoli, da Universidade de Ferrara. O cosmologista Max Tegmark, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, é membro da equipe responsável pelo novo mapa e se diz “encantado”. “O Universo está tentando nos dizer alguma coisa.”

O que será? A revelação das anomalias não fere a teoria tradicional do Big Bang. Sua vítima é outra, a teoria inflacionária. Segundo ela, em seus primeiros trilionésimos de segundo, o Universo passou por uma expansão exponencial, chamada de inflação. Daí surgiram as variações na textura cósmica, que até então pensávamos ser homogênea. Pode uma nova teoria explicar por que o Universo bebê tinha duas anomalias concêntricas? Muitos cosmologistas creem que nosso Universo é só um entre infinitos outros. Se for este o caso, seria aquele misterioso círculo escuro um umbigo cósmico? A imagem é fascinante. É hora de os cosmologistas começarem a sonhar.
Nota: O problema é este: há cientistas que “sonham” demais, apresentam suas teorias como se fossem fato, a mídia se encarrega de espalhar suas palavras e o povo acredita em tudo. Muita gente ainda crê que a teoria da expansão do Universo é um fato. Não é. O verdadeiro fato é que conhecemos quase nada sobre o mundo que nos rodeia, e isso deveria nos tornar mais humildes, enquanto buscamos as respostas. O que havia antes do big bang? Essa é uma boa pergunta. Tão boa e tão “teológica”, que alguns cosmólogos preferem apelar para a metafísica pura (teoria dos multiversos) a admitir que tudo o que teve um começo precisa de uma causa. E se nesse começo tiveram início o tempo, o espaço e a matéria, essa causa primeira não causada precisa ser atemporal, imaterial e estar além do espaço. Você conhece uma Causa com esses atributos?Michelson Borges, do blog Criacionismo
About these ads

Publicado em 14 de abril de 2013, em Ciência, Teologia, Textos. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 25 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: